FAQ Perguntas frequentes ao veterinário

Porque devo vacinar o meu animal?

A vacinação é de extrema importância para manter o seu animal saudável, evitando o aparecimento de doenças, muitas delas fatais. Assim sendo, é fundamental o cumprimento do calendário/plano vacinal proposto pelo seu veterinário. Embora em Portugal a única vacina obrigatória seja a anti-rábica, recomenda-se, pelo menos: a vacinação múltipla nos cães (esgana, parvovirose, leptospirose, hepatite infecciosa e tosse do canil); tripla nos gatos (coriza, panleucopénia e calicivirus); dupla nos coelhos (mixomatose e doença vírica hemorrágica); e para a esgana em furões. As primeiras vacinas podem ser administradas ao mês e meio de idade em cães e a partir dos dois meses em gatos, coelhos e furões. Outras vacinas podem ser necessárias ou aconselháveis para o seu animal (tais como para a tosse do canil, febre da carraça ou leishmaniose nos cães; ou para a leucemia felina nos gatos). Para qualquer informação adicional contacte o seu médico veterinário.

 

Porquê uma ração de qualidade?

As rações denominadas “Premium e Superpremium” são as mais aconselhadas do mercado, por satisfazerem todas as necessidades nutricionais do seu animal de estimação. Ao contrário das rações de menor qualidade, possuem na sua base proteina e gordura de origem animal contribuindo para uma melhor digestibilidade, evitando determinadas patologias, e assegurando uma maior esperança média de vida. Embora sejam rações mais dispendiosas, como a digestibilidade é maior, o consumo diário de ração é menor, o animal aproveita mais e melhor nutrientes, e o volume, frequência e cheiro das fezes é menor. O pêlo terá mais vitalidade e brilho, diminuindo a sua queda. Evitam-se problemas nutricionais e várias patologias deles resultantes. Para qualquer informação adicional contacte o seu médico veterinário.

 

Com que frequência devo lavar o meu cão?

Excepto em casos particulares, os animais devem ser lavados com a menor frequência possível. Os cachorros apenas deverão ser lavados a partir dos 6 meses de idade e evitando deixar o pêlo húmido e expô-los ao frio e/ou correntes de ar. O odor característico dos cães deve-se a uma secreção gordurosa produzida pelas glandulas sebáceas existentes na pele, que tem uma função protectora. O banho remove parcialmente essa camada exigindo às glandulas que produzam mais e mais rápidamente, resultando numa intensificação do odor e ao seu aparecimento cada vez mais rápido. Além disso,uma vez que essa secreção tem uma função protectora da pele, irá ter uma maior tendência a problemas de pele, infecções por ácaros e fungos, e alergias. Recomendamos 2 a 3 banhos anuais com shampoos adequados para o seu animal, e limpezas pontuais com toalhetes hipoalergenicos, quando necessário. Para qualquer informação adicional contacte o seu médico veterinário.

 

 

Como combater o mau hálito?

O mau hálito dos animais deve-se à formação de placa bacteriana/tártaro no dentes. Essa formação varia conforme o indivíduo e raça, mas principalmente depende do tipo de alimentação, sendo mais frequente com rações húmidas ou “comida caseira”. A utilização de ração seca é preferível pois esta tem um efeito mecânico de limpeza, existindo também biscoitos que ajudam a evitar a formação de tártaro, e escovas e pastas de dentes adequadas para o efeito. Poderá também usar produtos à base de produtos naturais que, adicionados à alimentação, regulam o pH da boca, dificultando a formação de tártaro, e contribuem para um hálito mais fresco. Para qualquer informação adicional contacte o seu médico veterinário.

 

 

 

Porque é importante o controlo do terrário e aquário nos répteis de estimação?

Diz-se que os répteis são animais de “sangue-frio”. Não quer isto dizer que tenham efectivamente o sangue frio. Significa que não têm forma de controlar internamente a sua temperatura corporal, como os mamíferos, ficando dependentes das condições exteriores para controlar a sua própria temperatura. É por isso fundamental fornecermos as condições essenciais para o correcto desenvolvimento destas espécies, imitando, tanto quanto possível, as condições normais em que se desenvolveriam na natureza. Isso significa termos controlo de temperatura, humidade, duração do dia e exposição à luz ultra-violeta do sol. Estas necessidades variam de espécie para espécie, bem como a sua alimentação. É portanto essencial informar-se sobre as condições ideais par ao seu animal. Para qualquer informação adicional contacte o seu médico veterinário

Quais os principais problemas nos coelhos, porquinhos da índia e chinchilas?

Em qualquer destas espécies, os mais frequentes e graves problemas têm origem na sua alimentação. Os dentes têm crescimento contínuo para contrabalançar o desgaste premanente devido à mastigação de grande quantidade de fibra, e, pela mesma razão, o intestino tem adaptações particulares e uma flora bacteriana específica para ajudar na sua digestão. Assim, sempre que não têm uma quantidade de fibra suficiente ou uma alimentação adequada, desenvolvem-se problemas que podem ir de sobrecrescimentos dentários (que provocam dor e podem levar à formação de abcessos) a problemas intestinais, como diarreias, cólicas, e, nos casos mais graves, estase/paragem intestinal, que pode ser fatal. Além destes problemas são também frequentes e graves os problemas respiratórios, e também frequentes, embora pouco graves, os problemas de pele como sarnas e fungos. Para qualquer informação adicional contacte o seu médico veterinário.

 

Qual a melhor alimentação para o meu papagaio?

Apesar da “sabedoria popular” e do que continua a ser vendido de forma habitual nas lojas de animais, uma mistura de sementes não é uma alimentação adequada e equilibrada nutricionalmente para papagaios. As sementes, em particular as de girassol (ou “pipas”), são muito ricas em gordura e hidratos de carbono e pobres em muitos nutriente necessários ao desenvolvimento do seu papagaio, assim são responsáveis a médio e longo prazo por várias patologias de origem nutricional. É essencial uma alimentação nutricionalmente equilibrada à base de um granulado desenvolvido especificamente para cada espécie, complementado com uma boa variedade de frutas e vegetais. Uma boa alimentação, tal como uma boa socialização é fundamental para o bem estar , saúde e bom desenvolvimento do seu animal. Apra qualquer informação adicional contacte o seu médico veterinário.